quarta-feira, 3 de outubro de 2007

"Vedetas"...

Angela Gheorghiu é, indiscutivelmente, um dos grandes sopranos actuais.
Mas hoje quero apenas fazer referência a uma notícia “a escaldar”.
A duas horas do ensaio geral de uma “La Bohème”, em Chicago, foi despedida e substituída por uma jovem ainda ilustre desconhecida.
Justificação da administração do teatro: faltou a seis dos dez ensaios.
Justificação da cantora: "conheço muito bem o papel e o meu marido precisava que estivesse mais tempo junto dele".

Ou seja…a candidata (?) a “diva” entende que não precisa muito de ensaiar…e talvez por isso esta situação de despedimento não seja inédita na sua ainda curta carreira.

Eu devo dizer claramente que detesto “vedetas”…. e faltas de humildade e profissionalismo.

4 comentários:

teresamaremar disse...

Presuncao e agua benta... sempre a achei por demais presuncosa.

(as cedilhas e acentos nao aparecem :))

Rui Luís Lima disse...

olá josé quintela soares!
Aqui deixo a minha opinião muito amadora:
Angela Gheorghiu tornou-se uma vedeta no mundo da ópera, basta ver os clips que passam dela no "Mezzo", para já não falar nas estrondosas ovações que lhe são oferecidas no final dos espectáculos. Tenho que reconhecer que ela é espantosa, mas um dos seus trunfos prende-se com a sua beleza e sensualidade, e só depois vem a voz, o mais belo e importante instrumento de uma cantora. Pelos vistos a Femme Fatale, desta vez, saiu pela porta pequena do Teatro.
PS- Continuo a gostar dela, mas prefiro a Cecilia Bartoly e a Kiri Te Kanawa.
(Quanto a sensualidade a interpretação da Julia Mingenes-Johnson na "Carmen" do Francesco Rosi, que mora aqui por casa, é única!)... o cinema tinha que vir à baila:)
um abraço cinéfilo

geocrusoe disse...

Gosto de Angela Gheorghiu tenho-a num Elixir do Amor (com o marido) e numa Traviata. Mas julgo-a demasiado nova para já estar "armada" em grande diva, ainda vai a tempo de aprender que: grande-grande, só mesmo os humildes, pois nunca páram de tentar ultrapassar-se a si mesmo e ainda ela está a milhas do topo, se quiser lá chegar.

Samuel disse...

Quero aqui contar uma pertinente historia.

No séc. XVIII em Portugal, uma tal Zamperini, de grande voz e fama, foi expulsa do país pelo envolvimento escandaloso com o filho do então 1º Ministro Sebastião Carvalho e Melo. É sabido ainda que durante as actuações, nas partes em que não cantava, esta fazia-se ver nos camorotes da melhor aristocracia ostentando valiosas joias, sempre oferta dos seus pretendentes.

Que dizer??? Expulsas ou despedidas? Qual a palavra mais correcta? Ou ainda mais eloquentemente de contrato suspenso ou rescindido?

Esta senhora é muito rica, e creio ser esta a principal justificação para tanto apanagio e prevaricamento!

Locations of visitors to this page