terça-feira, 17 de abril de 2007

Elena Suliotis


Não sei o que pensam do soprano grego Elena Suliotis (1943 – 2004).
Já li críticas muito desfavoráveis, sei que há quem a odeie, por considerar que era uma imitação “barata” da Callas.
Vou já adiantar o que penso. Nos seus primeiros anos, isto é, antes de estragar a voz com papéis muito exigentes que não devia ter cantado tão precocemente, a Souliotis é uma das minhas cantoras favoritas.
A sua Abigaille é extraordinária! A gravação com Tito Gobbi…de antologia. Mas tantas vezes cantou este dificílimo papel, juntamente com outros muito exigentes, que a sua voz ficou completamente diferente, para pior.
E a segunda fase da sua carreira, principalmente em ópera russa, é, na minha opinião, para esquecer…
Suliotis “vivia” os seus desempenhos, dava-lhes uma força que vinha bem de dentro, e que se sentia nitidamente nas suas gravações (infelizmente poucas, apenas 6 óperas completas).

18 comentários:

Anónimo disse...

Caro José,
Ter visto em 1966 a Souliotis na babilónica Abigail foi uma experiência inesquecível. Loira, bela, alta, bem feita (campeã de pesa submarina), vestida de guerreira e, acima de tudo, com aquele soprano-dramático potentíssimo com graves a la Callas foi uma visão.
Não sabia que no fim da carreira cantou ópera russa.
Eu vi-a no Nabucco, Gioconda (com Carlo Bergonzi), Otelo e Aida (com o Bergonzi e a Cossoto). Na Aída (1971) a heroína da noite foi a Cossoto e já era visível esse precoce desgaste na voz.
Raul

Teresa disse...

Safa, José! Eu começo a ficar complexada de cada vez que venho aqui! Também não lhe conheço a voz!

Diga lá, confesse... está empenhado em humilhar-me...
(estou a brincar, claro). Tanto para aprender, tanto para conhecer! Odeio a minha ignorância.

jose quintela soares disse...

Olá Teresa

Se não conhece, compre imediatamente (sublinhado!) o Nabucco com ela e o Gobbi.

Depois diga-me o que achou.

E não se preocupe..."só sei que nada sei".

Teresa disse...

Bem, José...
Além de ignorante ainda estava a ser burra...
Estou a fazer "aquilo que sabe" (não quero correr o risco de ir presa").
Tem isto?...
http://www.amazon.co.uk/Art-Conducting-Great-Conductors-Past/dp/B00005V30T/ref=sr_1_2/026-3153303-1061212?ie=UTF8&s=dvd&qid=1176833305&sr=8-2

Ou isto?...
http://www.amazon.co.uk/Art-Conducting-Legendary-Conductors-Golden/dp/B00006AFIV/ref=sr_1_1/026-3153303-1061212?ie=UTF8&s=dvd&qid=1176833305&sr=8-1

Estou a rir para dentro...

jose quintela soares disse...

Olá Teresa

Tenho, de facto, os Great Conductors.
Mas obrigado na mesma.

Anónimo disse...

Aditamento:
Quando a voz da Souliotis começou precocemente a acusar desgaste, a cantora apanhava com umas assobiadelas do público. Numa récita sua estava presente a Callas, sua conterrânea, que ao ver a reacção do público, se levantou da cadeira e censurou-o asperamente. Existe uma fotografia das duas e já a vi.
A Souliotis fez várias gravações: Nabucco ( a melhor, sem dúvida ), Ana Bolena (com a Horne), Norma (com a Cossoto), que passam e Macbeth (com o Diskau e Pavarotti) e que eu comprei em LP e num golpe de ginástica consegui devolver à casa que me vendeu os discos a troco de outros.
Tenho fotografias autografadas da cantora "A Raul con simpatia" e era, como por exemplo a Cossoto, , uma cantora simpatiquíssima na abordagem para autógrafos.
Raul

Anónimo disse...

José,
Peço desculpa pelo aditamento, mas foi uma homenagem à malograda cantora. Sabe que a foram buscar para fazer a Zia Principesca da Suor Angelica com a Freni ?
Raul

jose quintela soares disse...

Caro Raul

Os seus comentários são sempre bem-vindos.
Ainda para mais elogiosos para com a Suliotis, uma cantora de que gosto muito e que é muito esquecida. Eu descobri-a apartir do nabucco, e não descansei enquanto não "apanhei" tudo o que era dela, ou pelo menos, o que me foi possível.
E sim, sabia da Suor Angelica com a grande Mirella.

Permita-me voltar a uma questão de há dias, relativa à Zuleika.
Informei-me em fonte segura, e de facto a cantora portuguesa acompanhava a Scotto, mas também a Freni, chegando a substitui-la em Madrid. Não sei em que ópera.
De qualquer modo, tinha razão, era principalmente a "piccola Renata" que ela acompanhava.
Um abraço

Anónimo disse...

A cantora portuguesa Zuleika Saque foi em Palermo a cantora que acompanhou a Freni e sobretudo a Scotto. A própria relatou na Antena2 que cantou mais vezes em substituição de Freni do que da Scotto pois a segunda "tinha um tipo particular de voz e temperamento e até de comportamento." Da Freni chegou a receber flores no dia da sua estreia com palavras muito amáveis tendo sempre uma atitude muito cordial.

Anónimo disse...

Caro José,
Obrigado pela sua simpatia.

Sobre o que diz o anónimo,
Sim, de facto, é sabido que o temperamento da Scotto não era dos melhores, de tal modo que a "correram" de Itália. Numa entrevista, que vem na net, declara a propósito da Callas que esta representava tipo a "velha guarda" (não são estas as palavras, mas o significado é semelhante) e ela, Renata Scotto, era a "alvorada". Além do disparate, é injusto, porque parece-me que a Callas tinha uma grande admiração pela Scotto. Tudo isto não me impede de considerar a Scotto uma cantora excepcional, não entre as vinte melhores do século, mas logo à porta.
Raul

Teresa disse...

Pessoalmente acho a Callas absolutamente extraordinária em palco (a senhora com um erguer de sobrancelha dizia mundos), li algures , parece-me que no Diccionaire des Interprètes da Bouquins, que Visconti a considerava a maior actriz depois de Eleonora Duse.

Que pena que os registos sejam tão poucos e, logo por azar, até haja um II acto da Tosca duplicado, o do Covent Garden e o da estreia em Paris... (onde, devo dizer, a acho péssima no Una Voce Poco Fa, além de bem sabermos que o papel é para um mezzo...).

Alguém viu a Medeia da Pasolini? Tenho uma certa curiosidade.

Anónimo disse...

Teresa,
Sim, a Callas em palco é imbatível e, se para representar, a fala pode não ser suficiente, a Callas, numa espécie de síntese artística, é a maior actriz do mundo.
Não querendo contrariar a Teresa, mas a versão da Callas em "Una voce poco fa" não é a do soprano ligeiro, mas a do mezzo coloratura e é fabulosa. O seu "ma" é histórico. Na versão de soprano ligeiro há uma versão histórica, celebérrima, a de Amelita Galli-Curci, sem rival. Eu pessoalmente, além destas duas interpretações, ponho ao mesmo nível a da Teresa, mas Berganza.
Eu tenho a Medea do Pasolini e comprei-a na Fnac, embora a tivesse visto na altura no Apolo 70. O que penso do filme, da Callas, de tudo ? O melhor que se possa imaginar.
Raul

jose quintela soares disse...

Ora aí estamos todos a falar novamente da grande Maria!
Comungo da pena de so seus registos em dvd serem tão escassos...apesar de os ter todos, inclusive a Medea.
E a propósito...estão interessados no Concerto de Despedida com o Di Stefano, em dvd??
Eu sei que a voz dela estava uma ruína, e mete dó...mas é histórico!
Quem quizer...diga!

jose quintela soares disse...

"Quizer"...??
Quiser!!!

Teresa disse...

Ó p'ra mim de dedito levantado e um arzinho cobiçoso!

Amanhã seguem as coisas. Lembrei-me e outra, que vou arriscar mandar sem dizer o que é, porque aposto que não tem.

Anónimo disse...

José,
Muito obrigado, mas é ... Está no Youtube. Para mim chega.
Raul

Teresa disse...

Raul,

Acredita que só agora reparei numa parte do seu comentário sobre a Callas (não sei como foi isto), quando andava aqui armada em Miss Marple? Concordo absolutamente consigo quanto ao "Ma" do Palais Garnier... chegamo-nos à frente na cadeira ou no sofá, de tão presos.

Quanto à versão da Teresa Berganza, é a minha preferida, está neste momento na Gota.

Anónimo disse...

Gostei muito deste artigo!Não conheço esta cantora, a partir de agora vou investigar no youtube,google...


Quanto à Callas, posso dizer que ela é o meu IDOLO.Ela é perfeita e a sua Violetta Valéry é a mais bonita que alguma vez ouvi.Atenção, que eu estou a dizer isto mas nao tenho o DVD da La Traviata com A DIVA, o que significa que Callas era tão magnifíca que basta apenas ouvi-la cantar para sentirmos a música. Callas exprimia-se com a voz e mesmo que estivesse parada só cantando já é o suficiente para conseguirmos sentir a essência dos sentimentos contimentos na música.

Callas realmente marcava presença em todos os seus concertos.Tinha um poder de dramatização fantástico e uma voz inesquecível e muito bela.CALLAS TOUJOURS!


:D:D

Locations of visitors to this page