segunda-feira, 3 de março de 2008

As Óperas de Mozart (2)

A seguir ao “Rapto do Serralho”, Mozart compôs “As Bodas de Fígaro” (1787), Don Giovanni (1788) e Cosi Fan Tutte (1790), todas elas óperas cómicas italianas sobre textos do mais feliz dos colaboradores de Mozart, o padre Lorenzo da Ponte. Neste campo da ópera italiana nem um nem outro estavam sós ou sem “concorrentes”.
Da Ponte tinha no padre Casti um odiado rival; Casti tinha uma língua das mais venenosas e é uma pena que Mozart nunca se tenha servido dos seus libretos pois são imensamente divertidos. Infelizmente Casti associara-se a Salieri, muito abaixo do génio de Mozart, apesar de ser, ao tempo, bem mais popular.
A exemplo do que mais tarde aconteceria a Haendel e a Wagner, Mozart foi acusado de não saber escrever para vozes e usar orquestrações demasiado ruidosas.
Esta questão é deveras interessante; o que verdadeiramente perturbava os auditores contemporâneos de Mozart era o facto de ele se preocupar muito mais com a orquestra do que os seus pares. Uma partitura pobre e vazia pode frequentemente soar muito mais desagradavelmente barulhenta do que outra cheia de pormenores engenhosos e expressivos.
Mas voltemos às óperas.
“As Bodas de Fígaro” são quase um manifesto revolucionário, “Don Giovanni” já foi considerado “um estudo de patologia sexual” e “Cosi Fan Tutte” foi julgada tão chocante que tiveram de aplicar à música uma série de novos libretos.
Ou seja, Mozart ao seu melhor nível.
Regressarei a cada uma delas nos próximos posts.
Deixo aqui a célebre Abertura das “Bodas” pela orquestra do MET dirigida por James Levine e depois recordemos a grande Eleanor Steber em “Donve Sono”, numa produção de 1951.

3 comentários:

geocrusoe disse...

Conheço a aria mas não a cantora. talvez seja mesmo o diálogo entre os vários quase solitas, os naipes da orquestra e a voz aquilo que me mais admiro nas obras de Mozart com canto, situação, embora com tratamento diferente, também se ouve em Haendel e Wagner ou seja, aquilo que muitos críticos diziam é, provavelmente, o motivo da minha admiração, Pois a música não é só regra, é também inteligência na transgressão e emoção e nisso as óperas de Mozart são belos exemplos.

Pedrita disse...

aqui são montadas com uma certa freqüência. a cossotto vem ao brasil semana que vem e vai gravar um cd por aqui. beijos, pedrita

José Quintela Soares disse...

Impressionante como Fiorenza Cossotto, com mais de 70 anos, ainda grava.
Extraordinário mezzo, com uma força representativa impressionante.

Locations of visitors to this page