segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Ontem ouvi (6)


Gravada em 1988, esta “Madama Butterfly”, com um elenco bastante semelhante à histórica gravação de Karajan, é, a todos os títulos, memorável.
O saudoso Giuseppe Sinopoli (1946 – 2001), verdadeiramente notável regendo Puccini, e que já havia deslumbrado na sua “Manon Lescaut”, surge aqui ao seu melhor nível, conduzindo a “Philharmonia Orchestra” de uma forma brilhante.
Mirella Freni, que já ultrapassara os 50 anos, canta com o magnetismo de sempre, aliado à maturidade própria de uma enorme experiência e um profundo conhecimento da obra e do compositor. Não será por acaso que é considerada a melhor “Mimi” da sua geração e uma das melhores de sempre.
A Freni junta-se uma “legião” espanhola, a começar num Carreras em grande forma num excepcional “Pinkerton”, a grande Berganza numa “Suzuki” soberba e Juan Pons, seguro como sempre.
“Madama Butterfly” como raramente se gravou.

5 comentários:

Anónimo disse...

E Butterflys portuguesas? Que tal a nossa Elsa Saque, uma das cantoras mais tocantes no papel de Cio-Cio San? Alternava com ela o soprano Fernanda Nunes, outra boa cantora portuguesa. A claridade vocal de Elsa Saque faz muita falta ao público português e também aos jovens cantores portugueses que deveriam aprender com ela como se conserva a frescura vocal por tanto tempo!

Rui Luis Lima disse...

Caro José Quintela Soares!
Esta é a minha gravação favorita da Madame Butterfly e posso confessar-lhe que embora não seja muito conhecedor de óperas, (esta área é da Paula), desde muito cedo que me apaixonei por esta obra e sempre que ela passa no Mezzo lá estou eu a ver. E de todos os cds que escutei, esta continua a ser a gravação de que mais gosto.
PS- É um prazer ler este blogue.
Abraço cinéfilo
Rui Luís Lima

Hugo Santos disse...

É uma gravação com os seus predicados mas não a minha favorita.

Samuel disse...

O melhor nesta gravação é a orquestra. A Berganza, embora a Susuki seja um papel menor, está completamente desadequada. É um grande par, mas não iguala Tebaldi/Bergonzi, Scotto/Bergonzi, Los Angeles/Bjorling e Los Angeles/di Stefano.

Hugo Santos disse...

Acabou de nomear as minhas gravações favoritas. Ao vivo recomendo Antonietta Stella/Eugenio Fernandi e Gabriella Tucci/Carlo Bergonzi, ambas no MET.

Locations of visitors to this page